• Lucas Melo

Gerenciamento Ágil de Projetos

O gerenciamento ágil de projetos diz respeito da adaptação das metodologias de produção de acordo com a necessidade do mercado. É o uso de técnicas e processos velozes para melhorar a produtividade e os resultados de uma empresa. Com a ascensão das tecnologias e o aumento das informações, a mudança é necessária.


Os novos modelos permitem organizar melhor o fluxo de ideias, gerenciar projetos com mais qualidade e otimizar o fluxo produtivo. Mas, qual a principal diferença de uma dessas metodologias para as tradicionais? Quais são as principais? Entenda a seguir!



O que é o gerenciamento ágil de projetos e como começou?


O gerenciamento ágil de projetos não necessariamente quer dizer uma metodologia ágil. Consiste na flexibilização e na integração de processos conforme a necessidade. Isto é, a capacidade de se adaptar as mudanças, alterando prazos, modificando projetos se preciso e adiando tarefas.


O conceito surgiu em 2001 em Utah, nos Estados Unidos. Um grupo de desenvolvedores se uniu para tentar pensar em novas formas de tornar o desenvolvimento mais simples. Tudo isso seguindo as suas experiências. A partir desse encontro, surgiu o Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Softwares.


Embora eles utilizassem processos diferentes, o manual estabeleceu 4 valores e 12 princípios. Dentre eles:


  1. A satisfação do cliente por meio do gerenciamento ágil de projetos;

  2. Adaptar-se conforme necessidade. Logo, se preciso, modificar as etapas e o funcionamento na totalidade;

  3. Entregar soluções no menor tempo possível;

  4. Incentivar e manter a colaboração de todos os envolvidos;

  5. Oferecer o ambiente, as ferramentas e o suporte necessário para o desenvolvimento das tarefas;

  6. Estimular a comunicação entre os envolvidos para a melhor execução das tarefas;

  7. Garantir um produto final que corresponda as expectativas;

  8. Associar desenvolvimento sustentável ao o gerenciamento ágil de projetos. Sempre de modo constante;

  9. Manter a qualidade com excelência no design e nas técnicas empregadas;

  10. Eliminar esforços e outras atividades que não agregam valor a solução final;

  11. Incentivar o surgimento de equipes auto-organizadas, independeres;

  12. Em intervalos regulares, o time de colaboradores deve refletir sobre o que foi desenvolvido.


O interessante do Manifesto é que ele se tornou uma das principais referências para as empresas de desenvolvimento de software.


Por que é ágil e qual a diferença para as metodologias tradicionais?


A palavra ágil foi escolhida porque representa a leveza e a adaptabilidade que os 17 desenvolvedores queriam. Neste sentido, resume o propósito de criar uma metodologia que entrega um produto de qualidade, à medida que favorece a experiência do usuário. Mesmo que, para isso, seja preciso mudar várias vezes.


Tanto é que os quatro principais pilares do gerenciamento ágil de projetos são:

  • os indivíduos e suas interações são prioridades;

  • o funcionamento da solução é mais importante que a sua documentação;

  • colaborações com o cliente acima de negociações e outras questões burocráticas;

  • a capacidade de se adaptar, independente do projeto inicial.


Dessa forma, as principais diferenças aparecem no modo como os projetos são pensados. Na tradicional, antes de começar a execução, são estabelecidos prazos, tarefas e responsabilidades. Este planejamento é rígido e pouco customizado. Já na ágil, a ideia é estabelecer o básico para, conforme for o andamento, adaptar o desenrolar.


Novamente, é a flexibilidade e a facilidade de fazer mudanças. Em um gerenciamento tradicional, as transformações podem até acontecer. No entanto, dependem da aprovação de um comitê.



Quais são as metodologias ágeis mais utilizadas?


Existem algumas metodologias que utilizam do gerenciamento ágil de projetos para aumentar a sua eficácia. Veja, a seguir, alguns exemplos:


Scrum


Lançado em 1990, o Scrum estabelece uma metodologia complexa, porém, versatil e efetiva para organizar equipes. É um framework de desenvolvimento de projetos, que divide as etapas em Sprints que duram de 2 a 4 semanas e estabelecem quais tarefas serão cumpridas. Quando uma tarefa é finaliza, outra é iniciada até que todo o processo termine.


A equipe do Scrum é formada por um Scrum Master, que define e delimita a ordem de cumprimento. Para acompanhar o desenvolvimento dos envolvidos e adaptar a demanda conforme a necessidade, são feitas reuniões periódicas.


Caso queira saber mais sobre a metodologia de gerenciamento ágil de projetos, leia um artigo que fizemos com o nome “O que é Scrum?”.


Kanban


Já o Kanban é um quadro de prioridades para organizar os processos conforme a necessidade. Dividido, normalmente, em três ou mais colunas: pendentes, em andamento e concluídas, a ideia é que as anotações fiquem disponíveis para todos os envolvidos. Assim, em caso de necessidade, cada um dos setores conseguirá se situar e ver o que precisa fazer.


O interessante da metodologia é que é possível customizar todo o Kanban. Você pode, por exemplo, marcar as tarefas com prazos, quem são os responsáveis, dados importantes, entre outras coisas que podem ser úteis. Além de deixar claro a responsabilidade de cada um, traz visibilidade para todo o processo.


Vale lembrar que a metodologia foi criada em 1970, pela Toyota. Na época, o objetivo dos cartões era sinalizar para a equipe em qual etapa estava os produtos produzidos. Como resultado, ajudava a sincronizar estoque com produção.


eXtreme Programming (XP)


Não tão conhecida como as anteriores, a XP é bastante parecida com o Scrum em alguns aspectos. No entanto, enquanto este foca nas práticas de gestão, a metodologia de gerenciamento ágil de projetos visa facilitar as funções técnicas. Sendo que, para isso, são utilizados quatro critérios fundamentais:


  • testar, revisar e projetar sempre;

  • integrar constantemente;

  • buscar a simplicidade nas soluções;

  • iterações curtas.


É um processo voltado para o desenvolvimento de softwares. À vista disso, sugere ciclos curtos para a adaptação constante e melhorias periódicas para a otimização do código. Além disso, outros de seus diferenciais é a necessidade constante de feedback do cliente para garantir eficácia.


Lean


Usar e fazer apenas o necessário, é este o princípio da Lean. Originária, também, do Sistema Toyota de Produção, a sigla vem do conceito de Learn Manufacturing. Em outras palavras, manufatura enxuta. A finalidade da sua criação foi reduzir desperdício de recursos e de tempo.


Em 2011, décadas após, Eric Ries resgatou o conceito de Lean para criar a terminologia startup enxuta. Empresas as quais visam o enxugamento dos processos. Em ambos os sentidos, a ideia é produzir a melhor solução, de forma mais rápida, barata e mais eficiente. Sempre alocando somente os recursos necessários.


Para isso, a metodologia de gerenciamento ágil de projetos utiliza de algumas ferramentas mais comuns. Por exemplo, o Growth Hacking, Customer Development e Business Canvas Model. Todas elas podem ser combinadas com o Scrum e o Kanban para melhores resultados.


Conclusão


Como vimos ao longo deste artigo, o gerenciamento ágil de projetos diz respeito ao uso de processos flexíveis e integrados para melhorar a experiência do usuário. Diferente das metodologias tradicionais, a ordem e o que será feito pode ser alterada em qualquer etapa para melhorar a satisfação do cliente. Alguns exemplos dessas adaptações são o Scrum, o Kanban, o XP e o Lean.


Para potencializar ainda mais os seus ganhos, uma dica é combiná-las com um CRM de qualidade. Deixamos de indicação o nosso próprio software de gestão de empresas, o reflow, que possui um teste gratuito de 15 dias.



Kanban para visualização do funil de vendas

Tem alguma dúvida que não foi sanada no artigo, ou experiência sobre o assunto que gostaria de compartilhar com a gente? Então aproveite para deixar o seu comentário!

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo